Pintura com Educação Especial – 2013

Desenho


Gabriel Fox draws The Eagle (Speed Painting) by Gabriel Fox

Um dos meus lemas para tudo que faço é: “faça e exija o máximo de si. Não seja refém de suas ferramentas, faça tudo o que puder com elas em todas as oportunidades.”

One of my life rules is: “do everything you can and force yourself to try your best. Don´t be a hostage of your tools, but use them´all whenever you can”.

Lucas Matumoto

Pois bem, no início do ano passado, a escola onde trabalho [e onde estudei] sugeriu que eu fizesse um projeto de Pintura com meus alunos da educação especial (até então, minhas aulas de Arte eram para Ensino Fundamental e Médio. Na Educação Especial, lecionava apenas Música). Não me exigiram nenhuma técnica em especial, apenas um prazo para que tudo estivesse pronto em Dezembro, mês que faríamos uma exposição.

Well, on the beggining of 2013, the school where I work [and studied] suggested me to develop a Painting art project for my students with special needs [till that moment, my Art classes were for Elementary to High School. For Special Education, i was teaching only Music). They did not specified any technique, only a deadline (December, so we could do an Art Expo).

Mãos a obra: Fevereiro, montei um cronograma com listas de atividades de pintura simplificadas para todos os alunos, sem distinção. Entendam como “Educação Especial” necessidades/síndromes diversas. O ideal e sistemático seria listar uma a uma, aluno por aluno. Ou seja, excluir o ‘fator surpresa’. Deixei montado cada atividade, cada avaliação e estratégia até Novembro, e entreguei para a Direção. Em Abril/Maio apresentei uma técnica básica de luz/sombra com tinta guache escolar para algumas das professoras que ajudariam no processo. Como passava de uma centena de alunos, não poderia fazer tudo sozinho.

So, time to work: on February, I did a list of simplified painting activities for all the kids, no distinction. Please, read “Special Education” as a lot of special needs or syndromes. The ‘right’ thing to do was: divide each group of students by their needs. It means: delete the “surprise-factor!’. I had everything planned till November and then delivered the list for the school. Between April/May I introduced a lightning/shading exercise for some of my colleagues that were going to help me with it all. We were dealing with more than 100 kids, so it was impossible to do all by myself.

Lucas Câmara

Acredito que observando as fotos da exposição mais adiante vocês identifiquem quais as ‘necessidades’ de cada aluno. Ao final do processo de atividades, no início de Agosto, ficou claro que a maioria dos alunos teria possibilidade de trabalhar com grande autonomia em telas 20×30, utilizando tinta acrílica. Com grande autonomia não quero dizer que soltamos litros de tinta para cada um e torcemos para que tivessem memorizado cada etapa de cada exercício aplicado no primeiro semestre. A ‘técnica’ que escolhi consiste em pintar grandes áreas ‘aquarelando’ a tinta acrílica, usando algodões para colocá-la na tela e posteriormente agregar os detalhes com a tinta em sua ‘densidade natural’.

I believe that looking at the photos ahead you´ll identify the ‘necessities’ of each kid. At the end of the ‘training process’, beggining August, was clear enough for me that most of the kids were able to work with great autonomy on 20x30cm canvas and acrylic paints. With great autonomy I don´t wanna mean that we let the kids use completely free liters of paint e were hoping they had memorized each step of each exercise from the 1st semester. The “technique” that I decided to use consists on painting large areas ‘watercoloring’ the acrylics, using cotton pads as brushes and then add the details with the acrylics on it´s ‘natural density’.

Student Gabriel Almeida

A primeira vez que usei esta técnica ou algo similar foi quando eu ainda era muito jovem, com 8 para 9 anos ou 10 anos (hoje tenho 23), orientado pela professora Miriam e no ano seguinte, pelo professor Ricardo Brunelli (entre 1998~2000) nas aulas de Arte do colégio. Não me recordo o sobrenome da Prof.ª Miriam, mas sei que tanto ela quanto o Ricardo foram dois dos grandes responsáveis por ‘me educar artisticamente’. Não preciso citar que pai e mãe contribuíram também, mas neste caso, não só para a Arte. O fato é que fiquei encantado desde o primeiro dia que conheci tal técnica e reconheço ter sido um aluno cretino e insignificante, acho vergonhoso não me recordar do nome de alguém que me apresentou algo muito valoroso (Miriam) e não ter sido esforçado o suficiente pra ficar na memória do outro professor (Ricardo. Encontrei ele no orkut anos e anos depois e ele não fazia a menor ideia de quem eu era. Mas OK. Mea culpa.)

First time I used this technique I was really young, probably around 8 to 10 years (actually I´m 23), guided by teacher Miriam and on the next years, by teacher Ricardo Brunelli during my art classes on Elementary School. I don´t remember the last name of teacher Miriam, but I know that her and Ricardo were two important pieces on my artistical education. I don´t need to say that my family was pretty important too, but not only for Arts. Fact is that I got caught by this technique from the very first moment I saw it and I recognize I was a pretty bad and insignificant student, I feel ashamed for not remembering the full name of someone so important and for not being dedicated to Art enough to be marked on the mind of teacher Ricardo (I found him on orkut years and years later e he has absolutely no idea about who I was. But OK. My fault).

Como vocês podem ver no vídeo postado no início da publicação, a parte mais rápida da pintura exposta foi o cenário, feito com a mesmíssima técnica que usei para mais de 90% das telas dos alunos da Educação Especial. A lista de material solicitada foi EXTREMAMENTE reduzida para este projeto, pois como disse: não sou refém das minhas ferramentas de trabalho. Uso cada uma ao extremo, e incentivo os alunos a fazer o mesmo. Foram solicitados: telas de pintura, tintas acrílicas sortidas [3 para cada aluno], pincéis de tamanhos sortidos e bolinhas de algodão. E SÓ. Cada aluno já havia sido treinado a manejar os algodões, tintas e pincéis, os professores  também tiveram breves contatos para poder ajudar a lidar com os alunos e colaborar com o andamento dentro do projeto dentro dos prazos.

As you can see on the video posted in the beggining of this post, the fastest part of that painting was the background, done with the same technique used for more than 90% of the artboards painted by the kids of Special Education. The list of tools requested was EXTREMELY reduced for this project, because as I said: i´m not a hostage of my tools. I use each one as far as they can go, and I teach the kids to do the same. We used: canvas, acrylics, brushes and cotton pads. AND THAT´S ALL. Each student was already trained and ‘tested’ with the cotton pads, brushes and paints, the other teachers were already introduced to the exercises and tips to help the kids to end it all on time for our expo.

Rita e Prof.ª Amanda / Rita & Teacher Amanda

Nota 1: incluímos os alunos do Ensino Fundamental I e Infantil para um projeto de pintura paralelo, fazendo suas próprias criações ao estilo do artista Romero Britto. Deixo claro que não aprecio arte alguma de Romero Britto, e costumo dizer que o mesmo faz parte da grande ‘idiotização’ da Arte. Ele me parece pedagógico para alguém com no máximo 6 anos de idade. Artisticamente interessante para alguém com no máximo 5. Nada pessoal, não o conheço e confesso que até tenho certa curiosidade em um dia conhecê-lo. Mas sua produção artística não se encaixa com minhas opiniões e apreços.

Nota 2: fiz o traçado/base/contorno de cada tela, de cada criança. O projeto envolvia PINTURA. Não haveria tempo suficiente para que em menos de um ano ensinássemos e orientássemos jovens da Educação Especial ou não a desenhar e pintar com extrema fidelidade o que gostariam de retratar.

Nota 3: para algumas turmas da Educação Especial que eu não leciono ou tenho um contato reduzido, tive ajuda da professora AMANDA SANTOS para selecionar qual a melhor técnica a ser utilizada. Como disse antes, não seria possível desenvolver tudo isso sozinho.

Note 1: we included the kids from Elementary for a side-project, doing their own creations following the style of Romero Britto. Let me be clear enough: i dislike everything produced by Romero Britto, and I usually say that he´s part of the “Art Idiotization”. For me, he sounds educational for someone around 6 years old. As artist, interesting for someone 5y.o., at maximum. Nothing personal, I never met him and I confess I am a bit interested on it. But his art stuff just don´t  match with my opinions and appeciations.

Note 2: I did all the guiding traces on each canvas, for each student. This project was about PAINTING. Unable to teach in less than a year a kid, special or not, to draw, paint and etc. as perfect as they wish.

Note 3: for some groups that I´m not the teacher or that I have a smaller interaction, I was helped by teacher AMANDA SANTOS to choose the best way and method to work. As I said before, would not be possible to do it all by myself.

Espero que gostem das fotos, comentem, compartilhem e incentivem a Arte nas escolas, desde cedo.

Hope you enjoy, comment and share it, and also motivate Art on schools, since the early years of our kids.

Me, explaining the process - 1st day

Me & Sona Karamekian (School´s Principal)

Telas cobertas

Telas cobertas

rodolfofoto@uol.com.br

Me - 2nd day




Conheça o Colégio São José do Maranhão/Visit São José do Maranhão School´s Website:

http://www.colegiosjmaranhao.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *